11/04/2011




Não se defende um país erguendo apenas uma bandeira e nem se canta um hino sem que isso nós deixe com todos os pelos do corpo em pé. O amor é tal e qual as crises politicas. As vezes é preciso ficar apenas analisar, a mandar boquinhas que deixam este e aquele inquietos, revoltados com um sistema que nem eles próprios conhecem. As vezes, e como no amor, é preciso saber saltar fora, fazer malas e partir sem sequer olhar para trás, e tantas outras vezes é preciso ficar-se neutro, fingir que está tudo bem, não comentar, não ouvir e nem olhar. As vezes o amor é mesmo uma crise politica que se cura lentamente, muito lentamente. E nós sofremos, fazemos sacrifícios, tudo porque achas que um dia isto fica mesmo melhor. Hoje sou uma crise politica, daquelas que finge que está tudo bem e que ignora os factos porque é mais fácil manter-me de fora que dentro.

(...)

4 comentários:

A'S'L disse...

lindo, lindo, lindo (L)

Isabel disse...

Está lindo *.*

A'S'L disse...

obrigada querida @

N. disse...

adorei ;) *