20/06/2011

" Tu não complicas, não empreendes, não te assustas, não te baralhas, não te esqueces, e quando te perdes é de propósito.
Imagino-te sempre como agora e tenho quase a certeza que nunca envelhecerás, porque guardas o segredo da felicidade, viver um dia atrás do outro, sem pedir mais ao mundo do que paz, alegria e, de preferência um bom champanhe.
Ajudas-me a conjugar o verbo aceitar, ensinas-me a praticar o verbo esperar, e tens sempre paciência para mim. Levas-me a jantar fora quando estou triste e limpas-me as lágrimas quando imagino que o mundo vai acabar só porque não é tudo como quero e quando quero. E obrigas-me a ser feliz com o que tenho, em vez de viver com a cabeça sempre enfiada no futuro. És mais sábio do que eu e sabes muito bem que o futuro só existe na cabeça das pessoas complicadas, que gostam de tornar a própria existência difícil.
Por isso, meu querido irmão emprestado, peço-te que nunca percas essa capacidade de me sacudir e de me fazer rir, de me pôr a dançar e a dizer disparates, de despertar em mim uma miúda que nunca cresceu.
É que eu não tive tanta sorte como tu: obrigaram-me a crescer muito depressa."

3 comentários:

Scpm ♥ disse...

sigooo *-*

Leni disse...

Querida, confesso que chorei ao ler seu post, é tudo que estou sentindo porém ao contrário.... ;/ é triste quando nos abrigam crescer rápido de mais, os sonhos permanecem e não há lugar para novos :S

beijos

Litopedian disse...

= )*